agosto 19, 2007

Quando casar, sara.

Vocês não tinham raiva quando, ao se machucar de qualquer forma, adultos diziam isso pra vcs? Eu tinha, muita raiva. Primeiro pela implicação de que minha dor não se resolveria imediatamente. Muito frustrante. Segundo porque, uma vez que eu tinha decidido desde muito cedo que não ia me casar, só conseguia concluir que essa dor que me atormentava e que não iria passar logo, não iria passar nunca. (Já havia decidido, bem cedo, que não iria me casar. Achava que não ia precisar.)



Então essa foi a sensação diante da resposta que recebi do médico quando, depois de esperar a semana inteira pra consultar, por causa do cotovelo machucado, da dor constante e da impossibilidade de agir normalmente com os dois braços ativos, perguntei a ele o que eu tinha, ou, nas palavras exatas: qual o nome disso, doutor, disto que eu tenho.



Ele gaguejou um pouco, provavelmente não entendeu o teor da pergunta, e ficou falando, indeciso, as palavras "bíceps", "luxação", "ligação com o antebraço", "tendão", "vai passar", repetindo-as de maneira desordenada e sem sintaxe nenhuma. Em suma, ele disse que iria passar, que eu poderia acompanhar a diminuição gradativa da dor. Ele não podia estimar o tempo da coisa toda, mas que iria passar.



Muito frustrante, especialmente pra alguém bem hipocondríaca como eu, sabe. Fiquei com raiva. Ele nem sequer me recomendou continuar com a medicação, e simplesmente disse que a dor desapareceria e um dia eu não mais sentiria, feito mágica. E isso tudo em menos de vinte minutos de consulta, depois de esperar horas para ser chamada, enfrentando crianças escandalosas e mães despreocupadas e mal-educadas.



Hmpf. A história da madrugada no pronto-socorro é bem mais divertida.

Um comentário:

Cassiarini disse...

Ah, vai? Antes de Casar Sara sim:http://antesdecasarsara.blogspot.com/