junho 02, 2008

Nem sei mais...

Este é o título de um email* que recebi há pouco.

Nem sei mais se tu quer continuar a ser minha amiga, é a frase completa. Que me partiu o coração.

Faz tanto tempo que não falo contigo, e não apareço, e não mando emails, continua. E até aqui são frases que eu poderia ter escrito para ela, se ela não tivesse deixado de lado o blablabla da vida do dia-a-dia e optasse por investir alguns minutos nas coisas que importam - como as pessoas de quem sentimos muita falta, como eu dela - antes.

Como vc está, ela pergunta. E eu não saberia por onde começar. São tantas coisas, mudanças e planos e acontecimentos, todos ao mesmo tempo, todos até pequenos, mas que me parecem gigantescos na maior parte do tempo, e pesadíssimos, e cansativos de se lidar, porque ando numa fase muito à flor da pele, sabe - isso eu gostaria de responder, de preferência ao vivo - e isso me coloca magnifying lenses nos olhos e não me deixa olhar para a big picture na minha vida, e me faz enxergar essas coisas menores, o trabalho, os problemas, a suposta falta de tempo até, como tão gigantescas e pesadíssimas de se lidar, quando na verdade eu deveria estar focando meu tempo e energia em mandar emails pra ti, e combinar de te encontrar ao vivo, em vez de esperar.

Eu ando tão sumida e atarefada, ela diz. Eu sei, eu também. E gostaria de não estar tão sumida, mas, de minha parte - não sei se de repente é o que está acontecendo contigo também -, posso dizer (tenho que confessar e encarar, seria melhor dizer) que ando pensativa, introspectiva. Ando querendo ficar quieta. Não longe, mas isso é um pouco conseqüência, infelizmente. O fato é que certos acontecimentos me fizeram pensar, e esse pensar está me fazendo pesar todas as coisas na minha vida. Pesar o que me é importante, atribuir novos valores a tudo. Não, não significa deixar de lado as pessoas, porque pessoas, amigas como tu, não podem ter peso ou preço atribuído, porque são verdadeiros achados pela vida, e não têm valor. Mas é como numa viagem, algumas coisas se tornam desnecessárias e tornam o percurso lento, atrapalham, e precisam ser deixadas para trás. É só isso. Um verdadeiro momento-concha, só que em vez de estar cuidando de um grãozinho de areia para fazer dele pérola, estou jogando pra fora todos os grãozinhos que andei arrecadando e que não servem para fazer pérola, e que agora estão me ocupando o espaço.

O que eu quero dizer, e que é bem simples, é que também estou sumida e atarefada, e me sinto muito mal de estar sumida, porque existe a possibilidade de que vc acabe pensando que não me é mais importante, quando isso não é verdade.

Podemos tentar nos encontrar qualquer dia desses, ela pede. Nós devemos, eu digo. Não, eu exijo. Nós devemos nos encontrar, o quanto antes, porque devemos a nós mesmas preservar essa amizade, ainda mais nesse momento de tarefas e ocupações, e preocupações e aborrecimentos que nos tomam o tempo. Eu exijo, e qualquer horário que tu puder, eu estarei disponível. Prometo.

Muitas saudades de você e do seu sorriso, ela se despede. Muitas saudades da tua alegria, do teu bom humor, da tua companhia.

(O email me foi escrito por uma amiga linda e adorável, mas a resposta e a explicação do meu sumiço resolvi publicar porque também são para minhas outras tantas amigas, para que elas me entendam, e entendam o meu momento, e a minha quietude. A intenção de um encontro ao vivo, imediato, o mais rápido possível, também vai para todas. Ah, vocês estão aí? Estão lendo? Me entendem? Me desculpam? Me digam quando podem me encontrar, e eu estarei lá!)

A frase lá do início, em que ela diz que nem sabe mais se eu vou querer continuar sendo sua amiga, me partiu o coração, e a hipótese de que eu deixei ela pensar isso é um absurdo, é um horror. Eu jamais deixaria de ser amiga dela, porque eu a entendo. Entendo e respeito. Tanto o sumiço como o silêncio, qualquer que sejam os motivos. Porque, assim como eu espero que ela esteja lá quando a minha fase concha acabar, ainda estarei aqui quando as tarefas dela acabarem e ela reaparecer.

That's what friends are for, you know!

Então, dear, me avisa onde, que hora, quando. Estarei lá!



* Não usarei o nome dela, porque ela nem sabe que estou respondendo publicamente. Ainda.

4 comentários:

Bia disse...

I'll be there for you too.

Srta. Fanti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Srta. Fanti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Srta. Fanti disse...

..."winter, spring, summer or fall all you got to is call and I'll be there. Yes I will, 'cause you got a friend in me"...
That's me through Carole King's words.